O que esperar na primeira semana após a chegada do bebê?

Anúncio

O tão sonhado dia chegou e seu bebê finalmente está nos seus braços! Depois de passar alguns dias na maternidade, é hora de ir para casa. Mas o que esperar na primeira semana após a chegada do bebê? Com tantas novidades, esse pode ser um período de muita insegurança. Os novos pais estão se adaptando à nova rotina e, com isso, os humores podem sofrer algumas alterações ao longo do dia.

É normal que, nesse momento, a mamãe esteja mais sensível e precise de cuidados do parceiro, dos familiares e amigos – afinal, ela acaba de passar de gestante a mãe, e tem um pequeno ser que depende muito dela. Essa fase é cheia de dúvidas e medos, mas é possível se preparar para reduzir a ansiedade da primeira semana.

Para ajudá-la, listamos algumas dicas para os primeiros dias após a chegada do bebê. Confira!

Amamentação

Por mais natural que seja a amamentação, ela não é tão fácil para todas as mulheres e pode causar muita apreensão para a nova mamãe. Esse é um momento de aprendizado tanto para ela quanto para o bebê. Por isso, é importante que, durante a amamentação, o ambiente esteja tranquilo, a mamãe confortável e o bebê bem apoiado no colo materno.

Seu bebê já tem o reflexo da sucção, mas você precisará ajudá-lo na hora de amamentar. A boquinha deve ficar posicionada em contato com a maior parte da auréola do seio, para que ele sugue com facilidade, estimulando a produção de leite. Esse movimento é muito importante para fortalecer a musculatura facial do bebê, influenciando inclusive o desenvolvimento da fala.

No início, cada mamada pode demorar até 40 minutos. O bebê ainda não tem tanta força para sugar, e o leite ainda está em processo de produção. Com o passar dos dias, e quanto mais o bebê mamar, mais forte fica essa musculatura e mais leite a mamãe produz. O tempo de cada mamada, então, será reduzido para até 15 minutos. Aproveite ao máximo esse momento de intimidade com o seu pequeno!

Produção de colostro

Nos primeiros dias, o seio materno ainda não produz leite, mas sim colostro – uma substância mais clara, rica em nutrientes e anticorpos. Apesar da aparência aguada, ele é muito importante para oferecer ao bebê as primeiras proteções contra microrganismos que possam causar doenças.

colostro é pobre em gordura e calorias, por isso, o bebê vai precisar de mais mamadas para se sentir satisfeito. Então, não se assuste se ele sentir fome em intervalos curtos de tempo na primeira semana. Não há nada de errado com seu leite! É também natural que, nos primeiros dias, o bebê perca até 10% do peso com que nasceu. Assim que o leite descer, ele rapidamente vai recuperar o peso perdido e passará a ganhar mais.

Produção de leite

Em geral, a “descida” do leite ocorre entre o terceiro e o quinto dia após o parto. A partir desse momento, é importante que o bebê esvazie toda a mama antes de passar para a outra. Isso porque é no fim da mamada que está o leite mais rico em gordura e que fornecerá mais calorias para o bebê ganhar peso.

Se o bebê não conseguir esvaziar a mama em uma única mamada, ofereça na próxima essa mesma mama antes da outra, para que ele se beneficie desse acúmulo de gordura. Se você encontrar muita dificuldade para amamentar, converse com seu médico e com o pediatra. Pode ser necessário complementar a alimentação do bebê com fórmulas lácteas específicas para a idade dele.

Arroto do bebê

Após cada mamada, não deite seu bebê imediatamente: coloque-o na vertical, apoiado em seu ombro para que ele arrote. O bebê pode não arrotar em todas as mamadas. Se, após 15 a 20 minutos na posição vertical, seu pequeno não arrotou, significa que ele não precisará arrotar nesse momento. Não há nenhum problema nisso.

Refluxo do bebê

Uma das grandes preocupações das mamães de primeira viagem é quanto ao refluxo do bebê, especialmente na hora de dormir. Mas é bom saber que todo bebê tem refluxo – a diferença está no refluxo normal e naquele que pode indicar uma doença ou malformação do sistema digestivo.

O diafragma é uma musculatura que funciona como uma portinha que permite a chegada do alimento até o estômago, abrindo para o leite passar e fechando para ele não sair. No entanto, essa musculatura ainda é muito fraca no recém-nascido, o que facilita que o leite volte, como refluxo.

Geralmente, esse retorno é em pequena quantidade, as conhecidas golfadas. Quando o bebê mama mais que a capacidade do seu estômago, que é muito pequeno na primeira semana (menor que uma noz), pode ocorrer um retorno maior de leite.

O refluxo pode indicar um problema de saúde quando acontece na maioria das mamadas e em grande volume, causando engasgo no bebê. Fale sempre com o pediatra caso desconfie que seu bebê tenha mais refluxo que o normal.

Troca de fralda

As trocas de fralda são praticamente instantâneas após cada mamada. Certifique-se de limpar bem o bebê antes de colocar uma nova fralda. Nesse primeiro momento, as limpezas são feitas apenas com água morna e algodão, nada de lenços umedecidos: eles podem causar alergias. Já as pomadas contra assadura são bem-vindas e devem ser passadas a cada troca.

Proporcione uma experiência saudável e segura para você e seu bebê com as dicas do e-book abaixo:

Hora do sono

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda que os bebês durmam de barriga para cima, com a cabecinha inclinada para a esquerda. Pesquisas apontam que essa posição reduz em até 70% os riscos de morte súbita de recém-nascidos.

Observe a temperatura do quarto e evite agasalhar demais o bebê para que ele não sinta muito calor durante a noite. Verifique se ele está com roupas confortáveis.

Nos primeiros dias, o bebê pode estranhar o excesso de espaço no berço, já que estava acostumado ao aconchego do útero materno. Para que ele fique mais confortável, você pode embrulhá-lo em uma manta ou colocar protetores em volta do seu corpo, reduzindo o espaço, mas deixe os bracinhos e perninhas com possibilidades de movimento.

Acertando o relógio biológico

Assim que nascem, os bebês passam grande parte do tempo dormindo. Como no útero materno não havia diferença entre o dia e a noite, será preciso ajustar o relógio biológico do bebê e ensiná-lo a dormir melhor durante a noite.

A recomendação é que a rotina da casa seja mantida durante o dia para facilitar esse aprendizado. Não feche cortinas e faça total silêncio durante o sono diurno do bebê. Ele precisa entender que é hora de ficar mais desperto. À noite, faça o contrário. A casa deve ficar silenciosa e com pouca luz, para que ele entenda que é o momento de repouso.

Primeiros banhos

Na hora do banho, evite produtos com cheiro forte: eles podem desencadear alergias! O ideal é usar somente sabonetes neutros – nada de loções ou perfumes após o banho. Um banho por dia já é o suficiente para o bebê, de preferência no período mais quente.

Mas não há problemas se for necessário dar mais de um banho, caso ele se suje muito de cocô, por exemplo, ou caso o dia esteja muito quente e ele demonstre incômodo. Na hora do banho, evite correntes de ar, mantendo janelas e portas bem fechadas.

Primeiras consultas médicas

Na primeira semana de vida do bebê, é de extrema importância que você o leve ao centro de saúde para fazer o teste do pezinho e tomar as duas primeiras vacinas: a BCG, contra tuberculose e a primeira dose contra a hepatite B. Outros testes como o da orelhinha e do olhinho, em geral, são feitos ainda na maternidade.

O ideal é que o teste do pezinho seja realizado no quinto dia de vida do bebê, podendo ser feito até o sétimo dia. Ele é ofertado gratuitamente na rede pública de saúde e detecta seis doenças congênitas: hiperplasia adrenal congênita, fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme, fibrose cística e a deficiência de biotinidase.

Na rede particular, é possível encontrar o teste ampliado, que testa, além dessas, outras quatro doenças: deficiência de G-6-PD, galactosemia, leucinose e toxoplasmose congênita.

Cuidados com o umbigo

O umbigo é outra grande preocupação das mamães de primeira viagem. O principal cuidado é com a limpeza da região. O umbigo não causa dor ao bebê, a menos que haja alguma inflamação. Para higienizá-lo, basta lavá-lo normalmente durante o banho e secar bem.

Em seguida, o enrole em uma gaze embebida em álcool 70%. O álcool vai ajudar a ressecá-lo, evitando a formação de bactérias, até que ele caia. Se essa gaze se molhar com xixi ou cocô é preciso trocá-la antes do próximo banho. Para evitar que o álcool queime a pele do bebê, passe um pouco de óleo mineral em volta do umbigo. Fique atenta a qualquer sinal de inflamação e/ou mau cheiro. Caso isso ocorra, fale com o pediatra.

Cuidados com o sol

Durante muito tempo, o banho de sol foi recomendado para bebês que nasciam com icterícia – uma condição que deixa o recém-nascido com a pele e os olhos amarelos. Hoje em dia, quando necessário, esse tratamento é feito na maternidade, por meio de fototerapia.

Antes dos seis meses, os bebês não devem ser expostos diretamente ao sol. Eles devem tomar sol protegidos por roupas, chapéus e sombrinhas. A partir dos seis meses, é necessário o uso de protetor solar. Em qualquer idade, as crianças só devem ser expostas ao sol no início da manhã, até as 9 horas, e fim da tarde, após as 17 horas.

Converse com o seu pediatra sobre os banhos de sol do recém-nascido. Ainda que seja importante para a produção de vitamina D, o Consenso Brasileiro de Fotoproteção, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, já não recomenda os banhos de sol sem proteção.

primeira semana de vida após a chegada do bebê é intensa e confusa, com muitas novidades e sensações acontecendo ao mesmo tempo. Mas, com paciência, os medos e angústias vão diminuindo e você passa a identificar melhor as necessidades do seu bebê. Fique tranquila e aproveite ao máximo esse lindo momento com sua nova família.

Deixe seu comentário e compartilhe com a gente suas dúvidas e experiências sobre a sua primeira semana do bebê em casa!

Anúncio

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui